Search
  • Paulo Jorge Pereira

"A Obra ao Negro", de Marguerite Yourcenar

Primeira mulher eleita para a Academia Francesa, Marguerite Yourcenar nasceu belga, mas iria ter nacionalidade norte-americana a partir de 1947. "A Obra ao Negro", de que se lê aqui um excerto, foi o seu segundo livro a ter êxito, depois do sucesso com "Memórias de Adriano" (1951).



Nascida em Bruxelas, a 8 de junho de 1903, foi batizada como Marguerite Antoinette Jeanne Ghislaine Cleenewerck de Crayencour e o pseudónimo que adotou (Yourcenar) seria um anagrama deste último apelido. Tendo perdido a mãe apenas 11 dias depois de nascer, o seu caminho pelas Letras iria começar na infância e sob influência do pai que lhe ensinou Grego e Latim. Em 1929 publicou "Alexis ou o Tratado do Vão Combate" (embora o primeiro livro escrito seja "O Jardim das Quimeras", em 1921), ainda teve oportunidade de mostrar esse seu primeiro romance ao pai, mas este morreria pouco tempo depois. Yourcenar afastou-se então do caminho com estritas regras que fora traçado pelo progenitor, viajando por Paris, Lausana e Grécia, incluindo as ilhas, e conhecendo as primeiras paixões - depois de um amor não correspondido pelo seu editor, André Fraigneau, que era homossexual, na capital francesa apaixona-se por Grace Frick, professora de Literatura Inglesa com quem seguirá para os Estados Unidos e viverá (de início em Manhattan; depois no Connecticut e, por fim, no Maine) até à morte desta, devido a cancro, em 1979. Até 1939, altura em que o caos na Europa que levou à II Guerra Mundial foi um catalisador para que rumasse de imediato aos Estados Unidos, publicou outros seis livros, incluindo "Fogos" (1936) e "Contos Orientais" (1939). Mais tarde, a partir dos anos 40, seria tradutora e professora universitária de Francês ao mesmo tempo que trabalhava nos seus livros.

Mas o êxito à escala mundial chegaria apenas em 1951 quando apresentou "Memórias de Adriano", algo que se repetiria em 1968 ao publicar "A Obra ao Negro".

Antes de morrer, não só publicou outros cinco livros, destacando-se "O Tempo, Esse Grande Escultor" (1983), como criou a Fundação Yourcenar (1982), concentrada em iniciativas de defesa da ecologia, proteção da fauna e flora.


Coleção Mil Folhas (Público)/ Tradução de António Ramos Rosa, Luísa Neto Jorge e Manuel João Gomes


Em 1982, Yourcenar criou a Fundação com o seu nome, cujas causas principais se centraram na defesa da ecologia do planeta.

Agraciada com diversos prémios, entre os quais o Femina (1968) e o Grande Prémio Literário da Academia Francesa (1977), Yourcenar seria a primeira mulher eleita para esta instituição com entusiástico apoio do filósofo, ator, escritor e cronista Jean d'Ormesson, que inclusive escreveu o discurso de admissão da autora. Morreria a 17 de dezembro de 1987, em Mount Desert, no Maine.

37 views

© 2020 by Livros Lidos. Direitos reservados

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now