Search
  • Paulo Jorge Pereira

"Capitães da Areia", de Jorge Amado

Portugal despertou em 1977 com Jorge Amado e a telenovela "Gabriela, Cravo e Canela", que os brasileiros viram em 1975, para a sensualidade de Sónia Braga, mas o livro e o autor, Prémio Camões em 1994, já eram maiores do que a própria vida muito antes disso. A atriz seria protagonista nos ecrãs de uma outra obra de Amado, então no cinema, com "Dona Flor e seus Dois Maridos" (1976). Mas hoje é um excerto de "Capitães da Areia" (1937), livro de rara e poética sensibilidade em prosa, que aqui se propõe.



Quando o final da vida chegou, a 6 de agosto de 2001, Jorge Leal Amado de Faria, nascido na baiana Itabuna a 10 de agosto de 1912, publicara cerca de meia centena de obras com milhões de exemplares vendidos nos diferentes idiomas das oito dezenas de países que apresentaram o seu trabalho. Tivera ainda uma vida preenchida por peripécias políticas e, sendo comunista, por detenções e exílios. E cedo o filho do coronel João Amado de Faria e de Eulália Leal, passando a maior parte dos seus primeiros anos de vida na Ilhéus que seria inspiração para diversos livros, procurou os meios literários, participando com apenas 14 anos na fundação da Academia dos Rebeldes em Salvador. Com os cúmplices dessa aventura foi publicando em diversas revistas e seguiu para o Rio de Janeiro com o objetivo de se licenciar em Direito. É de 1931 a publicação do seu primeiro livro: "O País do Carnaval". Seguiram-se "Cacau" (1933), "Suor" (1934), "Jubiabá" (1935), "Mar Morto" (1936) e "Capitães da Areia" (1937) - de que aqui se lê um excerto e que ganhou, em 2011, adaptação ao grande ecrã - a maravilhosa história de um grupo de crianças abandonadas, das suas estratégias de sobrevivência nas ruas e dos laços que entre elas se estabelecem. E também livro que foi apreendido e queimado em público por ordem da ditadura como sinal da sanha persecutória ao autor e à sua obra. Entretanto, na universidade tomara contacto com a política e as ideias comunistas, acabando por seguir o mundo do jornalismo, apesar de já licenciado em Direito.

A meio dos anos 40 já publicara outros cinco livros, mas também já fora preso no Rio de Janeiro e em Manaus, tendo de submeter-se aos primeiros exílios na Argentina e no Uruguai. Casara-se em 1933 com Matilde Garcia Rosa, de quem teve uma filha, mas divorciaram-se quando Amado voltou ao Brasil. Entretanto, Zélia Gattai era leitora e admiradora de Jorge Amado quando o conheceu em 1945, tendo os dois começado por estar lado a lado graças ao movimento pela amnistia para os presos políticos. Decorreram apenas meses até Zélia e Jorge se tornarem um casal e, em 1946, após o escritor ser eleito para a Câmara Federal como candidato pelo Partido Comunista (PCB), passaram a viver no Rio de Janeiro, aqui nascendo o primeiro filho, João Jorge, em 1947. Mas depressa a situação se modificou, uma vez que o PCB foi ilegalizado pelo governo Dutra e todos os eleitos nas suas listas viram os mandatos sob cassação. Foi assim que a família teve de partir para o exílio, vivendo durante três anos entre Paris - fase que Zélia aproveitou para se matricular na Sorbonne e ali tirar os cursos de Civilização, Língua e Fonética Francesa - e Praga, na então Checoslováquia, no começo dos anos 50 e onde nasceria a filha Paloma (assim chamada em homenagem ao amigo Pablo Picasso, cuja filha, nascida em 1949, tem esse nome).

É desta altura a escrita de "Jardim de Inverno", obra em que Zélia conta histórias das dificuldades no exílio, incluindo da viagem à China. Ao mesmo tempo dedicava-se à fotografia, passando a registar inúmeros episódios da vida de Jorge Amado nesse período, culminado com o regresso ao Brasil em 1956, altura em que se afasta do Partido Comunista. Destes anos 50 é também a escrita de um livro que marcou a vida literária de Jorge Amado, justificando a admiração de milhões de leitores: "Gabriela, Cravo e Canela" (1958) - que se tornaria telenovela no Brasil em 1975 (em 2012 teve uma nova versão, então com Juliana Paes no papel que fora de Sónia Braga) e, dois anos mais tarde, revolucionaria hábitos em Portugal, levando milhões de portugueses a seguir essa estreia do género como nenhuma outra das inúmeras telenovelas que vieram depois. No ano seguinte surge "A Morte e a Morte de Quincas Berro d'Água e, em 1963, Zélia apresentaria a fotobiografia do escritor em "Reportagem Incompleta".

No Brasil, o casal iria ter oportunidade de se instalar em Salvador, na Bahia, naquela que ficou conhecida como Casa do Rio Vermelho e Zélia assumiu um papel ainda mais preponderante no plano cultural. Em 1966, escreve outra obra marcante, "Dona Flor e seus Dois Maridos", que terá adaptações ao cinema em 1976 com Sónia Braga, José Wilker e Mauro Mendonça, e ainda em 2017, então com Juliana Paes, Marcelo Faria e Leonardo Hassum. É já um escritor consagrado, convidado para palestras em todo o mundo, e continua a publicar: "Tenda dos Milagres" (1969), "Teresa Batista Cansada de Guerra" (1972, livro que se tornou uma minissérie da Rede Globo em 1992), "Tieta do Agreste" (1977, obra também adaptada a telenovela), "Farda Fardão Camisola de Dormir" (1979).

É nesta altura que a mulher, aos 63 anos, resolve escrever as memórias da sua vida: a obra intitulou-se "Anarquistas, Graças a Deus" e, duas décadas depois da edição de estreia, as vendas superavam os 200 mil exemplares (em 1984, o livro ganhou também dimensão de minissérie, sendo Walter George Durst o autor). Amado também não descansa e, entre os livros que vai escrevendo até aos anos 90, destacam-se "Tocaia Grande" (1984), "Navegação de Cabotagem" (1992), "A Descoberta da América pelos Turcos" (1994) e "O Milagre dos Pássaros" (1997). Pelo meio, aos inúmeros galardões que colecionara, junta-se em 1994 o Prémio Camões. Zélia Gattai aproveita para publicar outros livros de memórias - "Um Chapéu para Viagem", "Senhora Dona do Baile", "Chão de Meninos", "A Casa do Rio Vermelho" ou "Città di Roma"), mas também romance ("Crónica de uma Namorada") e literatura infantil ("Pipistrelo das Mil Cores", "O Segredo da Rua 18", "Jonas e a Sereia").


Publicações D. Quixote


Caetano Veloso, cujo aniversário é no dia seguinte ao da morte de Amado, subiu ao palco em Salvador nesse dia 6 de agosto de 2001 sem saber que o escritor falecera. Quando foi informado pela mulher, Paula Lavigne, no fim do show, regressou, disse ao público que morrera a maior personalidade da Bahia e, emocionado, cantou "O leãozinho" em homenagem a Jorge Amado, conforme relatou o jornal Folha de São Paulo.

Os problemas de saúde começaram a ter aspetos mais sérios para Jorge Amado a partir do começo dos anos 90, quando o coração deu sinais de fadiga. Foi operado em 1996 e a diabetes lançou-lhe diversos avisos. A insuficiência cardíaca passou a ser uma companhia ameaçadora, espécie de espada de Dâmocles sobre a sua cabeça. Aos alertas dos anos 90 seguiu-se o internamento a 20 de junho de 2001, numa situação que o deixou em coma. Ainda assim, apesar de uma infeção pulmonar durante essa fase no hospital, acaba por recuperar e receber alta a 16 de julho. Mas o tempo já estava a correr contra o escritor e a paragem cardiorrespiratória que sofre a 6 de agosto torna-se definitiva.

Após a morte de Jorge Amado, que preenchera a vaga de Machado de Assis na Academia Brasileira de Letras, Zélia foi escolhida em 2002 para ocupar a cadeira que pertencera ao marido. Precisamente desse ano é a obra que escreveu com os filhos sobre lembranças de Jorge Amado, "Um Baiano Romântico e Sensual". Depois disso publicou "Memorial do Amor" e "Vacina de Sapo e Outras Lembranças". Prossegue as suas atividades literárias e homenageia a memória de Amado. Mas também o seu estado de saúde acaba por sofrer abalos. Sábado, dia 17 de maio de 2008. Em Salvador, Zélia Gattai, de 91 anos, fora internada no Hospital da Bahia a 16 de abril e recuperava de uma intervenção cirúrgica aos intestinos. Tivera uma fase de franca melhoria, mas, de repente, o processo inverteu-se e o seu estado de saúde piorou de forma considerável. Era sábado, dia 17 de maio de 2008, 16h30. Foi essa a hora que ficou registada como a da morte.

88 views0 comments