top of page
Search
  • Paulo Jorge Pereira

Inês Henriques lê "Platero e Eu", de Juan Ramón Jiménez

Inês Henriques está de regresso às leituras aqui no blog e desta vez a proposta é a história de um animal de estimação muito especial, contada por Juan Ramón Jiménez, Prémio Nobel da Literatura em 1956, no livro "Platero e Eu", um maravilhoso exemplo de poesia em prosa.



"Eu nunca escrevi nem escreverei nada para crianças, porque acho que a criança pode ler os livros que lê o homem, com determinadas excepções que a todos se lhe ocorrem": para que não ficassem dúvidas, o poeta Juan Ramón Jiménez fez questão de prestar este esclarecimento quando foi editado "Platero e Eu". Insubmisso e indomável, Jiménez seria obrigado a exilar-se nos Estados Unidos em 1936, uma vez que era uma das vozes que se erguiam contra Francisco Franco, futuro ditador de Espanha. Mas já lá iremos...

Nascido a 23 de dezembro de 1881, em Moguer, Huelva, na província da Andaluzia, terceiro filho do casal formado por Víctor Jiménez Jiménez e Purificación Mantecón López-Parejo, Juan Ramón Jiménez Mantecón depressa se sentiu atraído pela escrita e pelo desenho, recebendo influências da mais variada ordem. Mais tarde, ele próprio exerceria influência sobre a geração de 1927 com nomes como Federico García Lorca, Jorge Guillén e Rafael Alberti. Em setembro de 1896 viaja para Sevilha com a ideia de dedicar-se aos estudos em Direito, mas as suas atrações estão nas artes visuais, nas letras e no sexo feminino - namora com Blanca Hernández-Pinzón Flores e, mais tarde, com Rosalina Brau. Passa a ser visita frequente das bibliotecas e aprofunda o interesse pela poesia, tentando a sua sorte para publicar em diferentes jornais e revistas. Em 1899 volta a Sevilha e chega a inscrever-se em Direito, mas acaba por decidir afastar-se e consegue publicar no Vida Nueva de Madrid, recebendo convite para se fixar na capital espanhola.

Escreve e frequenta tertúlias literárias em Madrid, mas, adoentado, regressa a Moguer na primavera de 1900 e perde o pai em julho, golpe que o abala de forma profunda. Sofre diversos desmaios e, perante diversos ataques de pânico, é internado numa instituição para doentes mentais em Bordéus entre maio e setembro de 1901. Mas fica instalado em casa do doutor Lalanne, diretor do espaço, criando uma boa ligação com este, a sua mulher e os filhos. Não deixa de escrever, mas é transferido para um sanatório em Madrid no qual irá organizar reuniões literárias que se transformam em tertúlias a que assistem inclusive alguns escritores. Deixa a instituição e volta a casa em 1905, procurando manter a tranquilidade por entre os conflitos com heranças e partilhas que apoquentam a família. Entre 1908 e 1913, Jiménez escreve e publica uma dezena de livros - é nesta fase que os seus percursos entre Moguer e Fuentepiña são feitos em cima do burro Platero, imortalizado no livro

"Platero e Eu" (primeira versão em 1914), de que aqui se apresenta um trecho.

Vai viver para Madrid em definitivo no ano de 1913 e conhece Zenobia Camprubí com quem irá casar-se a 2 de março de 1916 em Nova Iorque. Viajam por Boston, Filadélfia, Baltimore, Washington, entre outras cidades, e Jiménez escreve "Diario de un poeta recién casado", mas também a versão definitiva de "Platero e Eu". No regresso à capital espanhola, a vida harmoniosa com a mulher permite ao poeta publicar ao ritmo de um livro por ano e chegam a dedicar-se a traduções. São anos de enorme produtividade, mas uma dupla tristeza ensombra-lhes a vida em comum num intervalo de poucos dias em 1928: morre Purificación Mantecón López-Parejo, mãe de Jiménez e, pouco depois, também Isabel Camprubí, mãe de Zenobia, perde a vida. De 1929 é a oferta que o irmão de Zenobia faz ao casal, antes de voltar para os Estados Unidos: um Ford T com o qual vão viajar por toda a Espanha nos dois anos seguintes, sendo Zenobia uma das primeiras mulheres do país com carta de condução.

Em julho de 1932 há outro acontecimento traumático para o casal: a escultora Marga Gil Roësset compõe um busto de Zenobia, mas suicida-se logo a seguir, devido à impossibilidade de concretizar o seu amor por Jiménez. Com a Guerra Civil espanhola a partir de 1936 e o poeta declaradamente do lado republicano, a vida do casal passa por recolher crianças que ficam órfãs, mas o perigo está sempre à espreita e o exílio torna-se inevitável. Jiménez fala com o Presidente da República e, a 22 de agosto de 1936, com passaporte de adido cultural da embaixada espanhola em Nova Iorque, rumam a Paris para mais tarde viajarem de barco rumo aos Estados Unidos a partir de Cherbourg.

Em solo norte-americano tentam angariar apoios financeiros para a República, mas, desiludidos com o desprezo a que votam os seus esforços, partem para Porto Rico e, pouco depois, para Cuba. Jiménez recebe a notícia da morte do afilhado e sobrinho Juan Ramón Bayo em 1938 e uma profunda tristeza apodera-se dele. Meses mais tarde, o casal volta a Nova Iorque, passando tempos tranquilos com os irmãos de Zenobia até ao regresso a Havana. De janeiro de 1939 é a notícia da sua instalação em Miami, seguindo-se viagens e conferências que vão envolver os dois. Jiménez continua a escrever e a publicar, enquanto Zenobia é convidada para dar aulas de Espanhol a soldados em 1943, numa fase em que vivem já em Washington e as dificuldades financeiras se atenuam. Em agosto de 1948, o poeta é convidado para conferências em Buenos Aires e o casal aproveita a oportunidade para visitar Montevideu. Porém, os maus tempos estão outra vez à espreita e, em 1950, uma nova depressão leva Jiménez a outro internamento, desta vez em Washington. Março do ano seguinte assinala o regresso definitivo a Porto Rico e outro momento duríssimo: é diagnosticado cancro a Zenobia em novembro. Operada, inicia a recuperação ao lado do marido que ainda está debilitado pela depressão.

São tempos tristes, duros e muito delicados para ambos. Zenobia sofre uma recaída nos primeiros meses de 1953 e tem de passar por exigentes sessões de tratamento. O marido não melhora da depressão e, face à doença de Zenobia, vê o seu estado agravar-se - são de internamentos sucessivos os anos de 1954 e 1955. O ano de 1956 não começa melhor, pois Zenobia vê-se forçada a viajar para Boston por causa do cancro que continua a roubar-lhe a saúde. Há um fugaz momento de satisfação quando, a 25 de outubro, a Academia Sueca anuncia o Prémio Nobel da Literatura para Jiménez. Três dias mais tarde morre Zenobia. É profunda a tristeza e a depressão em que mergulha o poeta, fechado em casa, sem se alimentar nem cuidar de si. Volta a ser internado e, após algum tempo de recuperação, sofre uma queda em 1958 que lhe provoca fraturas e não lhe permitirá mais andar. Quando a família insiste para o levar de regresso a Espanha, Jiménez resiste e recusa. Porém, a persistência dos familiares leva-o a mudar de ideias e a aceitar o regresso a casa, mas é o momento em que adoece com broncopneumonia e tem de ser internado de urgência. Todos os esforços médicos são, no entanto, infrutíferos: a 29 de maio, em Porto Rico, Juan Ramón Jiménez deixa de existir.


Edição Diário de Notícias


Em "A Jangada de Pedra", José Saramago faz uma homenagem ao autor e à obra aqui apresentada, colocando em vários pontos da sua história um burro chamado Platero.

Inês Henriques tem presença regular e soma a décima participação aqui no blog. Estreou-se a 27 de abril com "Perto do Coração Selvagem", de Clarice Lispector; voltou a 10 de maio e leu um excerto de "A Disciplina do Amor", de Lygia Fagundes Telles; no último dia de maio apresentou parte de "351 Tisanas", obra de Ana Hatherly; a 28 de junho, propôs literatura de cordel, com um trecho do livro "Clarisvânia, a Aluna que Sabia Demais", escrito por Luís Emanuel Cavalcanti; a 22 de agosto apresentou um excerto da obra "Contos de Amor, Loucura e Morte", escrita por Horacio Quiroga; a 15 de setembro leu um trecho de "Em Açúcar de Melancia", de Richard Brautigan; a 18 de novembro voltou com "Saudades de Nova Iorque", de Pedro Paixão, e na quinta-feira, 10 de dezembro, prestou a sua homenagem a Clarice Lispector no dia em que a escritora faria 100 anos, lendo um conto do livro "Felicidade Clandestina". Três dias mais tarde apresentava "Os Sete Loucos", de Roberto Arlt.

90 views0 comments

Recent Posts

See All

Comentários


bottom of page