top of page
Search
  • Paulo Jorge Pereira

Armando Liguori Junior lê "Filho da PIDE", de Paulo Jorge Pereira

Hoje, dia em que o jornalista Fernando Alves apresenta, às 18h30, na Biblioteca Fernando Piteira Santos (Amadora), o meu terceiro livro e segundo romance, "Filho da PIDE", aqui fica uma leitura da obra pela voz de Armando Liguori Junior. Relembro que o meu Amigo esteve em Portugal, dirigindo e atuando pelo Coletivo de Teatro Commune - no Espaço Arenes, em Torres Vedras, e em Montemor-o-Novo, no Cineteatro Curvo Semedo, com a comédia "Ubu Rei", tendo por base a obra de Alfred Jarry.



Foi a Companhia João Garcia Miguel que começou por receber, em Torres Vedras, o meu Amigo Armando Liguori Junior e o restante coletivo para a comédia "Ubu Rei", num elenco com Augusto Marin, Esther Góes, Fabricio Garelli, Natalia Albuk, Paulo Dantas e Juliano Dip. No dia 21 de março, às 21h30, estiveram também no Cineteatro Curvo Semedo, em Montemor-o-Novo, para outra sessão da sua comédia.

Nesta visita, além do sucesso alcançado junto do público com a oportuna comédia, houve finalmente a oportunidade de nos encontrarmos sem ser via Internet. E o Armando já propô várias leituras do meu terceiro livro, "Filho da PIDE".

Em janeiro de 1974, uma criança vai viver para Paris com um tio. Quase 50 anos mais tarde, é precisamente o tio quem lhe diz que os pais estão vivos e a mãe, doente com cancro, foi agente da PIDE. O que se segue é uma viagem a um passado tenebroso, marcado pela violência e pela crueldade da ditadura, mas também por ameaças e traços de ódio bem vivos no presente.

O livro, um exercício de memória fundamental sobre tempos que alguns procuram branquear, começou a ser escrito há seis anos. A ação decorre entre 1967 e 2017 e conduziu-me a um processo de pesquisa em várias frentes: da Torre do Tombo ao Museu do Aljube (sobretudo com recurso a um projeto intitulado Vidas Prisionáveis, onde mulheres e homens, presos e vítimas de tortura por parte da PIDE, relatam a galeria de horrores a que foram submetidos), passando pelo Gabinete de Estudos Olissiponenses, a Cinemateca, o Arquivo do Patriarcado, a Hemeroteca e vários livros dedicados à ditadura e à PIDE, em especial os de Irene Flunser Pimentel.

Tratando-se de uma obra de ficção, na qual as personagens, tal como ali surgem, não tiveram existência real, são diversos os momentos em que a realidade supera a ficção. As histórias cruzam-se em percursos que vão ter momentos de amor e ódio, esperança e saudade, solidão e fraternidade. Até se chegar a um final inesperado e que comporta diferentes surpresas.

No lançamento, a 9 de novembro, além de Irene Flunser Pimentel, Prémio Pessoa em 2007, investigadora que muito tem estudado e escrito sobre a PIDE e a ditadura, mas também acerca do Holocausto, esteve Luís Farinha, ex-diretor do Museu do Aljube e também ele historiador e professor doutorado em História Política e Institucional do Século XX.

E a sessão não fechou sem a participação da maravilhosa Garota Não, cujo talento invulgar tem aquecido os corações a públicos variados pelo país fora e tem sido distinguido com prémios e casas cheias.

Depois já passou por Coimbra, com o Luís Gonçalves; pelo Porto, com o Germano Almeida; por Alcântara, com o Luís Farinha; pela Póvoa de Santa Iria, com o Duarte Baião; por Elvas, com a Professora Teresa Guerreiro; por Setúbal, com a Ana Zorrinho; pela Fundação José Saramago, com a Sofia Branco e a Ana Zorrinho; por Santiago do Cacém e Sines com a Ana Zorrinho; pela Biblioteca do Palácio Galveias com a jornalista Maria João Costa; pela Biblioteca/Espaço Cultural Cinema Europa, com o Ricardo Correia, e pela Festa do Livro de Santiago do Cacém, uma vez mais com a Ana Zorrinho, tendo sido ainda objeto de conversa no Grupo de Leitura da Biblioteca Pública Municipal de Setúbal em junho. Hoje é a vez da Biblioteca Fernando Piteira Santos, na Amadora, com a presença do jornalista Fernando Alves.  


"Filho da PIDE" continua hoje, na Biblioteca Fernando Piteira Santos (Amadora), um percurso que começou na Boutique da Cultura, seguiu para Coimbra, Porto, Alcântara, Póvoa de Santa Iria, Elvas, Setúbal, Fundação José Saramago, Santiago do Cacém, Sines, Montijo, Biblioteca do Palácio Galveias, Biblioteca/Espaço Cultural Cinema Europa e Festa do Livro de Santiago do Cacém.  

Armando Liguori Junior,  ator e jornalista de formação, publicou, há pouco tempo, "Eu Poderia Estar Matando", mas tem outros livros publicados: três de poemas ("A Poesia Está em Tudo" – Editora Patuá 2020; "Territórios" – Editora Scortecci 2009; o recente "Ser Leve Leva Tempo", que já aqui apresentou; e um de dramaturgia: "Textos Curtos para Teatro e Cinema (2017) – Giostri Editora). Atualmente mantém um canal no YouTube (Armando Liguori), dedicado a leituras literárias, especialmente de poesia. Estreou-se nas leituras aqui para o blog com "Se te Queres Matar Porque Não te Queres Matar?", de Álvaro de Campos, a 15 de julho de 2020, seguindo-se "Continuidades", de Walt Whitman, a 7 de agosto e "Matteo Perdeu o Emprego", de Gonçalo M. Tavares, a 11 de setembro, várias leituras do meu "Murro no Estômago" (a 16 de outubro de 2020 e a 5 de setembro de 2021). Em 2021, a 12 de fevereiro, apresentou "Pelo Retrovisor", de Mário Baggio, seguindo-se "A Gaivota", de Anton Tchekhov, a 27 de março, Dia Mundial do Teatro; "A Máquina de Fazer Espanhóis", de Valter Hugo Mãe, a 5 de maio, Dia Mundial da Língua Portuguesa; e, a 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, com leituras de "Cheira Bem, Cheira a Lisboa", de César de Oliveira, e um trecho de "Viagem", de Miguel Torga. A 26 de outubro surgiu "O Medo", de Carlos Drummond de Andrade, e Niels Hav com "Em Defesa dos Poetas" foi o passo seguinte, a 28. Antes de hoje, Armando Liguori Junior apresentara "Algo Está em Movimento", de Affonso Romano de Sant'Anna, a 30 de outubro de 2021. A 2 de março de 2022 leu "O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá", de Jorge Amado, e no dia 6 apresentou "A Máquina", de Adriana Falcão. "As Coisas", de Arnaldo Antunes, foi a proposta de 13 de março.

A 5 de maio, Dia Mundial da Língua Portuguesa, leu "Ser Leve Leva Tempo". A 13, Armando Liguori Junior deixou outro exemplo de talento ao ler "Pássaro Triste", do seu livro "Toda Saída É de Emergência". No dia 19, Cecília Meireles e o poema "Escolha o seu Sonho" foram as propostas. Seguiu-se um excerto de "Macunaíma", de Mário de Andrade, a 27 de maio. De 3 de junho é a proposta de leitura de "Sapatos", de Rubem Fonseca. A 4 de novembro leu "Samadhi", de Leila Guenther. De dia 24 é "Carta a Meus Filhos sobre os Fuzilamentos de Goya", de Jorge de Sena. "O Gato e o Pássaro", de Jacques Prévert", foi a leitura de 29 de novembro.

A 13 de janeiro trouxe um poema de Cristina Peri Rossi. A 5 de maio, no Especial sobre o Dia Mundial da Língua Portuguesa, aqui voltou o seu "Ser Leve Leva Tempo". A 18 de maio voltou "O Medo", de Carlos Drummond de Andrade. No dia 5 de junho apresentou "O Poeta Fernando", inserido no seu novo livro intitulado "Eu Poderia Estar Matando". A 15 de junho regressou "Algo Está em Movimento", de Affonso Romano de Sant'Anna. A 19 de junho leu "O Último Poema do Último Príncipe", de Matilde Campilho. A 28 de agosto voltou "O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá", de Jorge Amado. De 9 de novembro é a leitura do meu terceiro livro, "Filho da PIDE". "Diluição", de Joana M. Lopes, foi lido a 29 de novembro. Voltou a 5 de dezembro com "Escolha o seu Sonho", de Cecília Meireles. A 28 de dezembro leu "Os Invisíveis", de José Henrique Calazans. "Samadhi", de Leila Guenther, voltou a 19 de janeiro. De 29 de janeiro é o poema "Ama os teus Sonhos", de Alice Vieira. A 9 de fevereiro leu "Coisas Que Não Há Que Há", de Manuel António Pina. De 19 desse mês é uma nova leitura do meu segundo romance e terceiro livro, "Filho da PIDE". A 16 de março regressou "Os Invisíveis", de José Henrique Calazans. A 2 de abril trouxe uma outra leitura de um excerto de "Filho da PIDE", algo que se repetiu a 8 e a 24 e a 4 de maio. A 18 de junho leu "Regresso", de Manuel Alegre.

26 views0 comments

Комментарии


bottom of page