Search
  • Paulo Jorge Pereira

Inês Henriques lê "Amor Portátil", de Pedro Paixão

No regresso de Inês Henriques às leituras por aqui, um outro regresso é promovido: está de volta a escrita de Pedro Paixão com a obra "Amor Portátil" e o capítulo intitulado "Namorada de inverno".



Nascido em Lisboa, a 7 de fevereiro de 1956, Pedro José de Carvalho Paixão seguiu e explorou até hoje diversos caminhos, desde logo nos estudos: por exemplo, o gosto pelos números e pelas matemáticas levou-o a matricular-se no Instituto Superior de Economia e a terminar mesmo o 2º ano. No entanto, abandonou essa pista, trocando pelo estudo da Filosofia: licenciou-se e doutorou-se na Universidade de Lovaina (Bélgica) e, mais tarde, tornou-se professor nas Universidades Católica e Nova (sairia dessas funções em 2004).

Mas a constante insatisfação e a procura de explorar novas ideias e territórios ditaram-lhe antes outras escolhas, pois logo em 1988 tornou-se sócio fundador, ao lado de Miguel Esteves Cardoso, de uma empresa de publicidade (Massa Cinzenta). Pouco depois, a mesma dupla, acrescida de Paulo Portas, esteve na fundação do semanário O Independente. Além de concretizar uma outra paixão - a fotografia -, foi realizando colaborações com publicações como o jornal Público ou a revista Playboy. Por outro lado, também se dedicou à escrita, publicando a partir de julho de 1992 - a estreia foi com "A Noiva Judia". No mesmo ano foi publicado "Vida de Adulto", seguindo-se obras como "Boa Noite", "Histórias Verdadeiras", "Nos Teus Braços Morreríamos", "Muito, Meu Amor", "Barely Legal", "Amor Portátil", "Saudades de Nova Iorque", "Do Mal o Menos", "Viver Todos os Dias Cansa", "Portokyoto", "A Cidade Depois", "Onze Noites em Jerusalém", "Girls in Bikinis", "Quase Gosto da Vida que Tenho", "Ladrão de Fogo", "Os Corações Também se Gastam", "Asfixia", "O Mundo É Tudo o que Acontece", "Perdido por Xangai", "Imagens Proibidas", "A Rapariga Errada", "Espécie de Amor", "O Céu na Boca", "Anti-Darwin", "Lembra-me de Mim" ou, já em abril de 2018, "Nada Ficará Escrito".

Para saber mais informações, pode consultar a página oficial do escritor aqui.

A obra do autor já fora abordada aqui no blog a 20 de julho do ano passado quando a atriz/artista Ana Catarina Santos apresentou um excerto do mesmo livro que aqui hoje se apresenta, "Vida de Adulto". Mais tarde, a 18 de novembro, Inês Henriques leu um trecho da obra "Saudades de Nova Iorque". A 17 de março apresentei um excerto do livro "A Noiva Judia". No dia 5 de abril li um trecho de "Vida de Adulto". A 13 apresentei um pouco de "Muito, Meu Amor". A 18 de abril li um trecho do livro "Viver Todos os Dias Cansa". A 28 desse mês chegou um excerto de "Histórias Verdadeiras". A 19 de junho houve "Viver Todos os Dias Cansa". Três dias mais tarde, a oportunidade pertenceu a "Muito, Meu Amor". No dia 8 de agosto, "Marginal" trouxe trouxe de volta "Histórias Verdadeiras". No passado dia 5 de outubro, o regresso foi à obra intitulada "Viver Todos os Dias Cansa", seguindo-se a 9 a recuperação de "Muito, Meu Amor". E vai haver outros regressos aos livros de Pedro Paixão nos próximos tempos...


Cotovia


"A Noiva Judia", em 1992, foi a estreia de Pedro Paixão a publicar.

A paixão e o carinho pelos livros têm acompanhado a vida de Inês Henriques. Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas (Estudos Portugueses e Franceses), escolheu o Jornalismo como profissão e o Desporto como área de atuação. Realizado o curso profissional no CENJOR, foi estagiária na Agência Lusa, à qual voltaria mais tarde, e trabalhou no jornal A Bola antes de entrar na redação do Portal Sapo. Neste contexto, a proximidade do desporto adaptado levou-a a escrever "Trazer o Ouro ao Peito - a fantástica história dos atletas paralímpicos portugueses", publicado em 2016. Agora, apesar de já não estar no universo profissional do Jornalismo, continua atenta a essa realidade ao mesmo tempo que tem sempre um livro para ler. E vários autores perto do coração. Inês Henriques tem presença regular e já está na casa das dezenas em participações aqui no blog. Estreou-se a 27 de abril de 2020 com "Perto do Coração Selvagem", de Clarice Lispector; voltou a 10 de maio e leu um excerto de "A Disciplina do Amor", de Lygia Fagundes Telles; no último dia de maio apresentou parte de "351 Tisanas", obra de Ana Hatherly; a 28 de junho, propôs literatura de cordel, com um trecho do livro "Clarisvânia, a Aluna que Sabia Demais", escrito por Luís Emanuel Cavalcanti; a 22 de agosto apresentou um excerto da obra "Contos de Amor, Loucura e Morte", escrita por Horacio Quiroga; a 15 de setembro leu um trecho de "Em Açúcar de Melancia", de Richard Brautigan; a 18 de novembro voltou com "Saudades de Nova Iorque", de Pedro Paixão, e na quinta-feira, 10 de dezembro, prestou a sua homenagem a Clarice Lispector no dia em que a escritora faria 100 anos, lendo um conto do livro "Felicidade Clandestina". Três dias mais tarde apresentava "Os Sete Loucos", de Roberto Arlt. A 3 de janeiro leu um trecho de "Platero e Eu", de Juan Ramón Jiménez. No dia 8 foi a vez de ter o seu livro em destaque por aqui, quando li um excerto de "Trazer o Ouro ao Peito". A 23, a Inês voltou e leu um trecho do livro "O Torcicologologista, Excelência", de Gonçalo M. Tavares e no dia 1 de fevereiro foi uma das participantes no Especial dedicado ao Dia Mundial da Leitura em Voz Alta com "Papéis Inesperados", de Julio Cortázar. A 13 de fevereiro apresentou um excerto do livro "Girl, Woman, Other", de Bernardine Evaristo, participando a 8 de março no Especial dedicado ao Dia Internacional da Mulher com a leitura de um trecho do livro "A Ilha de Circe", de Natália Correia.

A 5 de maio participou, com Armando Liguori Junior, no Especial dedicado ao Dia Mundial da Língua Portuguesa. No dia 22 de maio, ao lado de Raquel Laranjeira Pais e Rui Guedes, contribuiu para o Especial dedicado ao Dia do Autor Português. A 1 de junho interveio no Especial do Dia Mundial da Criança com "Ulisses", de Maria Alberta Menéres. No passado dia 7 de agosto, Inês Henriques leu um pouco da obra de estreia de Duarte Baião, "Crónicas do Desassossego". Chico Buarque e "Essa Gente" estiveram na sua leitura a 17 deste mês e, no dia 20, foi a vez de um pedaço do livro "À Noite Logo se Vê", de Mário Zambujal. "Sobre o Amor", de Charles Bukowski, foi a sua leitura de 7 de setembro, seguindo-se "Na América, Disse Jonathan", dois dias mais tarde. No domingo, dia 12, foi "Dom Casmurro", de Machado de Assis, a sua escolha para ler. Dia 15 foi o escolhido para apresentar "Coração, Cabeça e Estômago", de Camilo Castelo Branco. "Flores", de Afonso Cruz, foi a sua proposta no passado dia 17. A 21 de setembro apresentou "Normal People", de Sally Rooney. A 30 de setembro revelara a mais recente leitura: "Sartre e Beauvoir: A História de uma Vida em Comum", de Hazel Rowley. "Desamor", de Nuno Ferrão, a 20 de novembro, fora a participação anterior.

48 views0 comments

Recent Posts

See All