Search
  • Paulo Jorge Pereira

Inês Henriques lê "Niketche: Uma História de Poligamia", de Paulina Chiziane

Recente vencedora do Prémio Camões, a moçambicana Paulina Chiziane e a sua obra "Niketche: Uma História de Poligamia" são as propostas na leitura de hoje por Inês Henriques.



Moçambicana de Manjacaze, ondes nasceu a 4 de junho de 1955, Paulina Chiziane não terminou o curso de Linguística, embora isso não a impedisse de consagrar a sua vida à aventura literária. Voz forte na defesa dos direitos das mulheres e com obra literária cujo universo se movimenta a partir dessa visão, a escritora interveio pela Frelimo nos tempos conturbados dos conflitos armados - guerra pela independência e guerra civil -, chegando à escrita de contos na imprensa durante os anos 80: assim se evidenciou em publicações como o jornal Domingo ou a revista Tempo - só em 1990 publicaria o romance de estreia o título "Balada de Amor ao Vento".

Seguiram-se "Ventos do Apocalipse" (1993), "O Sétimo Juramento" (2000), "Niketche: Uma História de Poligamia" (2002), do qual Inês Henriques aqui apresenta um trecho, "O Alegre Canto da Perdiz" (2008), "As Andorinhas" (2009), "Eu, Mulher: Por Uma Nova Visão do Mundo" (2013), "Ngoma Yethu: O Curandeiro e o Novo Testamento" (2015) e "O Canto dos Escravizados" (2017). Ao lado de Dionísio Bahule apresentou, já em 2021, a obra "A Voz do Cárcere".

"Dizem que sou romancista e que fui a primeira mulher moçambicana a escrever um romance, mas eu afirmo: sou contadora de estórias e não romancista. Escrevo livros com muitas estórias, estórias grandes e pequenas. Inspiro-me nos contos à volta da fogueira, minha primeira escola de arte", defendeu, sobre aquela que é a sua prática do dia a dia. Recente é a notícia de que lhe coube a principal distinção para escritores lusófonos: o Prémio Camões 2021. "A mulher tem uma alma grande e tem uma grande mensagem para dar ao mundo. Este prémio serve para despertar as mulheres e fazê-las sentir o poder que têm por dentro", sustentou ao saber da distinção.


Caminho


Desde 2014 que a escritora é Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.

A paixão e o carinho pelos livros têm acompanhado a vida de Inês Henriques. Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas (Estudos Portugueses e Franceses), escolheu o Jornalismo como profissão e o Desporto como área de atuação. Realizado o curso profissional no CENJOR, foi estagiária na Agência Lusa, à qual voltaria mais tarde, e trabalhou no jornal A Bola antes de entrar na redação do Portal Sapo. Neste contexto, a proximidade do desporto adaptado levou-a a escrever "Trazer o Ouro ao Peito - a fantástica história dos atletas paralímpicos portugueses", publicado em 2016. Agora, apesar de já não estar no universo profissional do Jornalismo, continua atenta a essa realidade ao mesmo tempo que tem sempre um livro para ler. E vários autores perto do coração. Inês Henriques tem presença regular e já está na casa das dezenas em participações aqui no blog. Estreou-se a 27 de abril de 2020 com "Perto do Coração Selvagem", de Clarice Lispector; voltou a 10 de maio e leu um excerto de "A Disciplina do Amor", de Lygia Fagundes Telles; no último dia de maio apresentou parte de "351 Tisanas", obra de Ana Hatherly; a 28 de junho, propôs literatura de cordel, com um trecho do livro "Clarisvânia, a Aluna que Sabia Demais", escrito por Luís Emanuel Cavalcanti; a 22 de agosto apresentou um excerto da obra "Contos de Amor, Loucura e Morte", escrita por Horacio Quiroga; a 15 de setembro leu um trecho de "Em Açúcar de Melancia", de Richard Brautigan; a 18 de novembro voltou com "Saudades de Nova Iorque", de Pedro Paixão, e na quinta-feira, 10 de dezembro, prestou a sua homenagem a Clarice Lispector no dia em que a escritora faria 100 anos, lendo um conto do livro "Felicidade Clandestina". Três dias mais tarde apresentava "Os Sete Loucos", de Roberto Arlt. A 3 de janeiro leu um trecho de "Platero e Eu", de Juan Ramón Jiménez. No dia 8 foi a vez de ter o seu livro em destaque por aqui, quando li um excerto de "Trazer o Ouro ao Peito". A 23, a Inês voltou e leu um trecho do livro "O Torcicologologista, Excelência", de Gonçalo M. Tavares e no dia 1 de fevereiro foi uma das participantes no Especial dedicado ao Dia Mundial da Leitura em Voz Alta com "Papéis Inesperados", de Julio Cortázar. A 13 de fevereiro apresentou um excerto do livro "Girl, Woman, Other", de Bernardine Evaristo, participando a 8 de março no Especial dedicado ao Dia Internacional da Mulher com a leitura de um trecho do livro "A Ilha de Circe", de Natália Correia.

A 5 de maio participou, com Armando Liguori Junior, no Especial dedicado ao Dia Mundial da Língua Portuguesa. No dia 22 de maio, ao lado de Raquel Laranjeira Pais e Rui Guedes, contribuiu para o Especial dedicado ao Dia do Autor Português. A 1 de junho interveio no Especial do Dia Mundial da Criança com "Ulisses", de Maria Alberta Menéres. No passado dia 7 de agosto, Inês Henriques leu um pouco da obra de estreia de Duarte Baião, "Crónicas do Desassossego". Chico Buarque e "Essa Gente" estiveram na sua leitura a 17 deste mês e, no dia 20, foi a vez de um pedaço do livro "À Noite Logo se Vê", de Mário Zambujal. "Sobre o Amor", de Charles Bukowski, foi a sua leitura de 7 de setembro, seguindo-se "Na América, Disse Jonathan", dois dias mais tarde. No domingo, dia 12, foi "Dom Casmurro", de Machado de Assis, a sua escolha para ler. Dia 15 foi o escolhido para apresentar "Coração, Cabeça e Estômago", de Camilo Castelo Branco. "Flores", de Afonso Cruz, foi a sua proposta no passado dia 17. A 21 de setembro apresentou "Normal People", de Sally Rooney. A 30 de setembro revelara a mais recente leitura: "Sartre e Beauvoir: A História de uma Vida em Comum", de Hazel Rowley. "Desamor", de Nuno Ferrão, surgiu a 20 de novembro e "Amor Portátil", de Pedro Paixão, foi a leitura seguinte, a 11 de dezembro.

64 views0 comments

Recent Posts

See All